quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Começam a nascer os vinhos angolanos...

Li esta notícia na Academia do Vinho e me chamou a atenção por ser mais um país que pode nos oferecer mais opções de vinhos! Já pensaram servir um vinho angolano em um jantar? É no mínimo curioso e inusitado, não? Mas parece que o enólogo português Mário Louro disse recentemente que Angola pode sim começar a produzir vinhos (a partir de 2014), para abastecer o mercado interno com produto nacional, gerar mais empregos e concorrer com marcas internacionais.

Ele justificou a sua afirmação pelo fato de notar em Angola muitas iniciativas empresariais no desenvolvimento da cadeia do vinho e também o sempre forte interesse de Portugal em apoiar os investidores do vinho. Outro fator a ser considerado e um dos principais é a condição de climas e solos da região central e também do sul do país africano.

Pelas altas temperaturas médias do país, os vinhos a serem produzidos em Angola seriam provavelmente vinhos mais leves e frescos, dando destaque aos brancos e rosés.

Mário Louro é membro da Associação de Promoção de Vinhos Portugueses e é um dos principais cabeças nesta empreitada de ter vinhos angolando de qualidade. Ele já formou agentes hoteleiros angolanos na área vinícola e capacitou um grupo de jornalistas em iniciação à prova de vinhos por iniciativa da ViniPortugal. Ele também está fazendo um intercâmbio com alguns profissionais angolanos, os levando para Portugal para tomarem mais conhecimento sobre o setor.

Não sabemos se vai dar certo ou ou não, mas só a possibilidade de podermos beber mais vinhos diferentes já me deixa extremamente curioso. Vamos ver o que vai ser...


CHEERS!!

2 comentários:

Herbert Bierwagen disse...

André, adorei essa sua postagem. Acredito de fé em muitas regiões para o futuro. Plenamente viáveis na sua tipicidade. Imagina, couscouz com rosé de Shiraz... Cheers!

Carlos disse...

Deco,

Tem vinho Mexicano, peruano, Boliviano,Chinês...
Porque não africano. Acho que quanto mais variedade e ofertas tivermos, melhor para todos nós apreciadores.

Abraço
Carlos