sexta-feira, 24 de julho de 2009

Vinhos Premiuns Brasileiros - Opinião

Vamos agora a alguns pontos que gostaria de colocar em discussão sobre a matéria abaixo.

Para começar, gostaria de dizer que não me incluo no grupo de pessoas que ainda tem um certo preconceito com nossos vinhos. Acho que, além de termos que ser patriotas e incentivar a evolução do nosso vinho, há uma questão de termos os pés no chão e encararmos a realidade, sem nossos apegos a um ou outro vinho, pois quem realmente gosta de vinho, prova os vinhos brasileiros e gostaria que eles tivessem um destaque maior no mercado internacional.

Sobre os vinhos premiuns e as vinícolas citadas no texto, acho que estamos caminhando bem rumo a uma maior credibilidade do nosso líquido. estes investimentos todos, incluindo a contratação de assessores e consultores internacionais, maquinários e principalmente em pesquisas, mostra que estamos realmente focados em melhorar a qualidade dos nossos produtos. além disto, tem também a procura por novos Terroirs, o que talvez seja o mais difícil e importante, pois podemos ter uma tecnologia de ponta, pessoas altamente capacitadas, mas se não tivermos um bom clima, uma boa terra e boas plantas para as uvas crescerem, não adianta nada! E as novas regiões são provas vivas desta procura e desta evolução: Encruzilhada do Sul, são Joaquim e Candiota despontam como alternativas às já tradicionais Bento Gonçalves e Garibaldi (Melhor região para a produção de espumantes).

Mas existe um contraponto: Preço. Não podemos negar que ainda não somos grandes consumidores de vinhos nacionais, muito pelo preconceito que ainda temos. E este é um desafio que precisa ser superado. Pensando friamente... Se não tomamos vinhos nacionais que custem mais que R$ 70,00, vamos tomar um vinho de R$ 180,00 ou até de R$250,00??? Não acredito nesta hipótese. Há aqueles que tomam o vinho pelo preço e estes certamente vão querer experimentar, mas estas pessoas são os que vão falar bem do vinho com conhecimento? Acho que não...

Na minha opinião, estes vinhos premiuns deveriam sim ser mais caros, afinal são vinhos mais elaborados. Mas não a estes preços que estão divulgando. Deveriam estar mais acessíveis no início, para podermos provar. E se gostarmos, poderemos até pagar mais, pois sabemos que o produto é bom. Mas precisamos de uma porta de entrada, de um "experimenta" para estarmos mais dispostos a pagar estes valores, que julgo serem fora da nossa realidade.

Enfim, vamos esperar e ver como se desenrolam estes projetos. Claro que torço muito para que eles ajudem os nossos vinhos a alcançarem um novo patamar no mercado mundial. Mas há um outro desafio que não podem deixar pra trás: Vencer a barreira do preconceito e fazer o nosso vinho vingar primeiramente aqui no nosso Brasil!!!


CHEERS!!

2 comentários:

O Tanino disse...

Olá,

também acho que o grande problema do vinho nacional é o preço.

Particularmente não tenho coragem de comprar um vinho nacional por R$100,00 como o Villa Francioni, mesmo que todos falem muito bem dele, mas sem eu ter provado antes.

Se o vinho for bom mesmo, claro que justifica o preço, mas sem provar antes, prefiro comprar um Chianti por R$70,00. Economizo grana e tenho certeza que o produto vai me agradar.

Se eu fosse um "marajá" que ganha rios de dinheiro, claro que eu compraria um vinho desses "pra testar", mas como tenho que suar muito pra ganhar meu dinheirinho, procuro comprar vinhos que eu tenha alguma referência anterior.

Parabéns pelo blog!

Jean
www.otanino.blogspot.com

Denys Roman disse...

Prezados,

Não restam dúvidas que quando se trata de vinho muita coisa tem evoluído no Brasil. Consumidores, Sommeliers, Enólogos, Vinícolas e assim por diante.

Um dos pontos onde menos temos evoluído é na questão tributária!!!
Atualmente no Brasil o maior componente individual do preço final de um vinho brasileiro são os impostos.


O governo de SC já deu um primeiro passo ao reduzir o ICMS, mas tomando como base a representatividade do Estado e o total de impostos, considerando toda a cadeia produtiva, ainda falta muito.

Um brinde,

Denys Roman
www.caveantiga.com.br
www.twitter.com/caveantiga