quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Geografia do Vinho - Toscana - Chianti

Como falei no post anterior da Geografia do Vinho, é hora de falarmos sobre o lendário e delicioso Chianti, produzido com sangiovese. Chianti é a maior zona de vinho da Toscana. Todas as zonas são reconhecidamente DOCG e estão divididas em sete distritos – Chianti Ruffina, Colli Fiorentini, Colii Aretini, Colli Senesi, Colline Pisane e Chianti Montalbano, sendo que a mais famosa delas é a zona do Chianti Classico.

Mas a história mostra que os Chiantis já passaram por uma “má fase” durante o século XVII, quando o Barão Bettino Ricasolli resolveu acrescentar uvas brancas (malvasia e trebbiano) à fórmula do Chianti para que ele se tornasse mais leve e fácil de beber. E este vinho, que já era um pouco mais popular, caiu de qualidade. Além disto, para piorar, houve depois uma proliferação de um clone de sangiovese pouco adaptada ao terroir da Toscana. Pronto: Estava desenhada a catástrofe!

Mas eis que, em meados de 1970 alguns produtores resolveram se mexer e produzir Chiantis melhores, com mais estrutura e mais “aristocráticos”. E estes novos Chiantis foram inspirados nos Supertoscanos Sassicaia e Tignanello, que à época, já existiam e eram tidos como vinhos “poderosos”. E em 1984 eles passaram a ser DOCG.

Chega de história vamos aos vinhos: Por lei, os Chiantis Clássicos devem ser compostos por no mínimo 75% de sangiovese, até 10% de canaiolo e até 15% de outras uvas, incluindo as brancas malvasia e trebbiano. Os Chiantis Clássicos Riserva seguem a mesma regra, sendo que não podem levar uvas brancas.
O Chianti DOCG é sempre um vinho tinto seco, de médio corpo com notas de frutas. Se forem os Riserva, a madeira costuma estar bem presente. Dependendo do produtor, um Chianti pode durar mais de dez anos for bem armazenado.

Alguns dos melhores produtores de Chianti: Badia a Coltibuono, Castello di Ama, Castello di Volpaia, Badia a Passignano, antinori, Ruffino, entre outros.

No próximo post, os Supertoscanos!


CHEERS!!

Um comentário:

DARCI disse...

NA ITÁLIA, "CHIANTIGATE" TEM 10 MILHÕES DE LITROS DE VINHO FALSIFICADO.
Carlos Alberto Barbosa.
Um escândalo está abalando a indústria de vinho da Itália. Investigação da polícia revelou que produtores da bebida teriam engarrafado vinnos que continham mistura com uvas não autorizadas pelas suas denominações. O site Wine News publicou uma reportagem provando que pelo menos 10 milhões de litros de chianti, Toscana IGT, Brunelo di Montalcino e Rosso di Montalcino poderiam ter sido misturados a vinhos inferiores. Já estariam sob investigação das autoridades italianas 17 pessoas e 42 empresas produtoras, o que levou a investigação para outras regiões como Abruzzo, Trentino, Piemonte, Lombardia e Emilia-Romagna. A estensão do caso faz com que o crítico Jeremy Parzen, editor do blog Do Bianchi, venha a se referir ao novo escândalo como Chiantigate, em alusão ao famoso escândalo Watergate que derrubou o presidente americano Richard Nixon nos anos 70.

Notícia veiculada no site www.terra.com.br